Sexta, 24 de Maio de 2024
75 98251-4963
Polícia Evangelização

Evangelização no presídio de Feira de Santana está suspensa

Não há restrições quanto à idade ou tempo de prisão dos detentos que desejam participar dos cultos

08/05/2024 06h40
Por: Carlos Valadares Fonte: Cidade Gospel 
 fotos reprodução PCG
fotos reprodução PCG

O diretor do Conjunto Penal de Feira de Santana (BA), Júnior Freitas, esclareceu para a reportagem da rádio Subaé, os motivos da suspensão do evangelismo na unidade prisional que abriga mais de 1800 presos. Ele destacou que, embora a religião sempre tenha sido uma parceira importante na unidade, houve uma pausa temporária devido a um movimento interno no final do mês passado.

Segundo Freitas, a prática do evangelismo dentro do presídio ocorre de forma organizada. As entidades religiosas interessadas em realizar pregações devem enviar um ofício, e a direção do presídio agenda um dia específico para cada grupo, geralmente às segundas, terças e sábados. O evangelismo é aberto a todas as denominações religiosas presentes na unidade, como católicos, cristãos e protestantes.

“Não há restrições quanto à idade ou tempo de prisão dos detentos que desejam participar dos cultos. O tempo médio de cada culto é de cerca de 2 horas, e após as pregações, os presos costumam manifestar um sentimento de renovação e solicitar mais momentos de oração e reflexão espiritual”, destacou. Ouça a entrevista

A reportagem apurou também que a suspensão da evangelização não tem relação com a recente resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), que proíbe o evangelismo em presídios do Brasil, conforme publicado pelo Governo Federal.

Siga Instagram portal Cidade gospel

Esclarecimento

Em conversa por telefone com um representante da categoria dos policiais penais foi esclarecido que a medida não se trata de uma paralisação ou movimento grevista, mas sim de uma decisão deliberada em assembleia, pois a categoria está há um bom tempo aguardando a realização de um concurso público.

Segundo o sindicalista, a categoria decidiu, em assembleia realizada no último dia 25 de abril, não mais realizar horas extras. Essas horas extras eram realizadas após o plantão ordinário de 24 horas e eram consideradas essenciais para o funcionamento das unidades prisionais baianas. No entanto, a categoria sentia que não estava sendo devidamente recompensada por esse trabalho adicional.

“A decisão de suspender as horas extras teve como objetivo mostrar ao governo a realidade das unidades prisionais, evidenciando que elas não conseguem funcionar sem esse trabalho adicional. A suspensão das horas extras impactou significativamente na rotina da unidade, com alguns atendimentos que não puderam ser realizados devido ao baixo efetivo”, explicou.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.