Domingo, 23 de Junho de 2024
75 98251-4963
Polícia Absolvidos

Ex Policiais Militares acusados de matar Sub.Ten são absolvidos em Júri popular

Familiares e amigos da vítima compareceram ao Fórum para acompanhar o julgamento e pedir justiça.

22/05/2024 22h13 Atualizada há 1 mês
Por: Carlos Valadares Fonte: Página de Notícias

Foto Carlos Valadares

Página de Notícias

Nesta terça-feira (21), foram a julgamento popular no Fórum Desembargador Felinto Bastos, em Feira de Santana, os ex-policiais militares Sérgio Ricardo Sobral Ramos e Adriano Nascimento Silva, ambos acusados pelo assassinato do Subtenente Juceny Rodrigues Otoni da Fonseca, de 48 anos, ocorrido na rua El Salvador, no bairro Liberdade, no dia 21 de março de 2019.  O Júri durou cerca de 18 horas resultando na absolvição dos réus que respondiam em liberdade. Eles foram excluídos da corporação em 15 de novembro de 2021.

O júri foi presidido pela Juíza Doutora Márcia Simões Costa, com o Ministério Público representado pelo promotor de justiça Dr. Vitor Matias e a defesa pelos advogados Joari Wagner e Caio Menezes.

De acordo com informações da Polícia Civil, o Subtenente Otoni parou sua motocicleta para cruzar a rua quando houve a troca de tiros. O soldado Adriano foi baleado na coxa direita por Otoni, enquanto este último foi atingido na barriga, costas e braço pelo soldado Sérgio, que estava na garupa de uma moto pilotada por Adriano. Segundo a polícia, eles faziam segurança no local onde supostamente ocorreu um assalto.

Foto Aldo Matos

A defesa os acusados advogados alegaram legítima defesa em face que os militares à época estavam à paisana de folga da atividade policial e verificavam denúncia feita por uma mulher amiga de Adriano e vítima de assalto, durante a abordagem ao Sub. Ten que tinha as mesmas características do assaltante, segundo informaram os acusados e numa tentativa de abordar Otoni, houve a troca de tiros, no revide ele foi alvejado o morto.

 

Foto Aldo Matos

Familiares e amigos da vítima compareceram ao Fórum para acompanhar o julgamento e pedir justiça. O Ministério Público tem prazo de cinco dias para recorrer do resultado.

Com informações de Carlos Valadares

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.