Domingo, 14 de Abril de 2024
75 98251-4963
Esportes SAMU

Secretaria Municipal de Saúde descarta falta de materiais para execução das atividades do SAMU

Servidores do Serviço estão analisando paralisar as atividades no próximo dia 28 de março e essa é uma das demandas solicitadas pelos profissionais que cobram melhorias para a continuidade das atividades.

21/03/2024 06h37
Por: Carlos Valadares
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Diante da ameaça de paralisação dos servidores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Feira de Santana, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que não há falta de materiais para realização das ações do serviço. Essa é uma das demandas solicitadas pelos profissionais que cobram melhorias para a continuidade das atividades. (saiba mais aqui)

De acordo com a secretaria, as ambulâncias do SAMU possuem respirador (ventilador mecânico), desfibrilador, cateteres, soros e o abastecimento de materiais é feito regularmente, sendo, caso haja necessidade, realizado um reabastecimento extra.

'O órgão é referência na assistência para casos de urgência e emergência em Feira de Santana. Somente de janeiro até o dia 18, mais de 6.500 ocorrências foram atendidas. Em média, 90 chamadas são recebidas de forma diária. Na cidade, o serviço é disponibilizado 24h, por meio do número 192. Em 2023, o SAMU obteve diversos investimentos  como a aquisição de cinco novas ambulâncias, descentralização das bases e realização de processo seletivo para preenchimento de 238 vagas com quadro de reserva. Neste ano, o serviço instalou uma nova base no Shopping Popular para garantir uma resposta mais ágil às demandas de emergência, considerando a concentração de pessoas e atividades na região comercial. Além disso, também está previsto a aquisição de quatro novas ambulâncias, sendo uma de Unidade de Terapia Intensiva (UTI)', pontua nota enviada pela pasta. 

À nossa reportagem, o técnico auxiliar de regulação médica do SAMU, Rafael Silva, falou que, além das questões técnicas, a convivência no ambiente de trabalho também tem gerado conflitos e insatisfações. Sobre isso, a secretaria não prestou esclarecimentos. A nossa reportagem tentou contato com a coordenadora do SAMU em Feira, Maíza Macedo, mas até o fechamento desta matéria, não obteve resposta. 
'A intenção é não parar, é não desassistir a população, a gente só quer um diálogo, a nossa reivindicação maior é diálogo, é sentar para conversar e tentar resolver essas questões', diz. 
Em resposta, a coordenação do SAMU destaca que sempre esteve à disposição para o diálogo com os profissionais.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.